0 0
Read Time:2 Minute, 27 Second

Siga-nos no Telegram | https://t.me/stesspt

Um caso de febre hemorrágica de Lassa, uma doença viral semelhante ao Ébola, foi identificado no sul da Guiné-Conacri, anunciou na sexta-feira o Ministério da Saúde deste país da África ocidental.


Conacri | O vírus da febre de Lassa foi detetado numa rapariga de 17 anos de Kassadou, no município de Guéckédou, segundo um comunicado.

A doente está a ser tratada num centro médico e o seu estado era, na sexta-feira à noite, quando foi divulgado o comunicado, “satisfatório”.

A infecção foi detectada a 20 de Abril, em Guéckédou, e confirmada por um segundo teste realizado num “laboratório de referência de Conacri”, a capital da Guiné-Conacri, país vizinho da Guiné-Bissau.

Está em curso uma investigação nas aldeias relacionadas com o caso, “para registo de todos os contactos e seu seguimento”, não tendo sido notificado qualquer outro caso até sexta-feira, segundo as autoridades de Conacri.

A febre hemorrágica de Lassa é provocada por um vírus da mesma família daquele que provoca o Ébola, embora seja menos fulminante.

É uma doença viral hemorrágica endémica na África ocidental, transmitida aos seres humanos através de contacto com alimentos ou objectos contaminados com urina ou fezes de roedores e tem uma taxa de mortalidade de 1%.

A transmissão entre humanos ocorre através do contacto com fluidos corporais de pessoas infetadas.

O vírus recebeu o nome da cidade da Nigéria onde foi identificado pela primeira vez, em 1969.

Reino Unido | Caso Monkeypox Confirmado, Autoridades Emitem Alerta De Saúde Urgente Para o Vírus Mortal

COVID | Portugal e Espanha São Os Países Onde Casos Estão a Aumentar Nos Idosos

Angola | Malária Continua a Principal Causa De Mortes

África Do Sul | Regista Maior Número De Casos De COVID Em 3 Meses

No passado dia 17 de Março, a Organização Mundial da Saúde (OMS) revelou que pelo menos 98 pessoas morreram desde o início do ano de febre de Lassa na Nigéria, onde um surto já infectou 540 pessoas desde janeiro.

Embora endémica na Nigéria, com um aumento de casos durante a época seca, entre novembro e maio, a doença está a registar um número “muito mais elevado de casos” este ano do que em épocas anteriores, segundo a OMS, que atribui este fenómeno a uma capacidade de vigilância e testagem reduzida.

Para responder a este surto, os centros de controlo de doenças da Nigéria, juntamente com a OMS e outros parceiros, activaram um Centro de Operações de Emergência para coordenar as respostas a todos os níveis, diz o comunicado.

A OMS também mobilizou especialistas para intervir na investigação, rastreamento de contactos, comunicação de risco, estando em curso planos para reforçar os esforços e ajudar a Nigéria a controlar o surto.

A organização destacou também o número de casos e mortes entre profissionais de saúde, o que se deve em parte à falta de medidas adequadas de prevenção e controlo nas unidades de saúde.

A OMS tem fornecido equipamento de proteção pessoal para os profissionais de saúde, máscaras, protetores faciais, desinfectantes para as mãos e sacos de lixo como parte do seu apoio no combate à doença.

Quer nos enviar seus vídeos ou fotos ou até mesmo furos? Contacte-nos através do email [email protected]

Happy
Happy
0 %
Sad
Sad
0 %
Excited
Excited
0 %
Sleepy
Sleepy
0 %
Angry
Angry
0 %
Surprise
Surprise
0 %

What Do You Think?

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: