Guerra Na Ucrânia: Como o Estupro é Usado Como Arma De Guerra Pelos Russos?

Guerra Na Ucrânia: Como o Estupro é Usado Como Arma De Guerra Pelos Russos?

Stelio cardiny, Stess tv news, Stess news, Jessica Cardiny,

TOPSHOT - A Ukrainian serviceman walks past destroyed Russian tanks not far from the Ukrainian capital of Kyiv on April 3, 2022. Europe's worst conflict in decades, sparked by Russia's invasion on February 24, has already left some 20,000 people dead, according to Ukrainian estimates. (Photo by Sergei SUPINSKY / AFP)

0 1
Read Time:1 Minute, 53 Second

Guerra Ucrânia Russa | O massacre de Boutcha destacou um fenômeno presente em todas as guerras: o estupro de guerra. Como o exército russo perpetua esse flagelo?

Descritos como “crimes de guerra” por grande parte da comunidade internacional e “genocídio” por Volodymyr Zelensky, os acontecimentos na cidade de Boutcha chocam o mundo.

Nesta cidade, perto da capital Kiev, mal recapturada pelas forças ucranianas, dezenas de civis foram mortos pelo exército russo. O presidente ucraniano também afirma que “mulheres foram estupradas e crianças mortas”.

Stelio cardiny, Stess news, Jessica Cardiny, Stess tv news,

Hoje, ONGs como a Human Rights Watch estão investigando para avaliar a extensão desses crimes de guerra e coletar evidências do que aconteceu em Boutcha.

Esses crimes de guerra incluem estupro de guerra. Essa prática é usada como arma em todos os conflitos. A ONG We Are Not Weapons Of War (Nós não somos armas de guerra) explica que “a violência sexual em conflitos é uma estratégia militar ou política por direito próprio”.

O Tribunal Penal Internacional define crimes sexuais cometidos em tempos de guerra como crimes de guerra, crimes contra a humanidade e até genocídio quando cometidos “com a intenção de destruir todo ou parte de um grupo étnico nacional, racial ou religioso”.

Por que o estupro é usado como arma de guerra?

No caso da cidade de Boutcha, os estupros de guerra não podem ser qualificados como genocídio, pois o objetivo não era destruir um grupo étnico, racial ou religioso. Mas neste caso, por que usar o estupro como arma de guerra, especialmente quando as tropas russas estavam deixando a cidade?

Segundo a ONG Nós não somos armas de guerra, “o estupro de guerra é o crime perfeito”. De fato, esses atos desestabilizam toda a comunidade em que foram perpetrados. Podem levar à “exclusão e rejeição das vítimas, ao empobrecimento, à estigmatização das crianças nascidas de violação, à escalada da violência, ao enfraquecimento da economia do país em causa”…

Estas violações são também uma arma de último recurso. No caso de Boutcha, ao ver a chegada das tropas ucranianas, os soldados russos usaram a última arma que puderam, deixando para trás uma marca indelével na mente das vítimas e de sua comunidade.

Quer nos enviar seus vídeos ou fotos ou até mesmo furos? Contacte-nos através do email [email protected]

Happy
Happy
0 %
Sad
Sad
0 %
Excited
Excited
0 %
Sleepy
Sleepy
0 %
Angry
Angry
0 %
Surprise
Surprise
0 %

About Post Author

What Do You Think?

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: